3 respostas em “we.do.logos – Rede Criativa

  1. A China é aqui!

    Houve um tempo em que a maioria dos designers reclamava da concorrência desleal. Enquanto alguns investiam quatro anos numa faculdade, faziam pós-graduação e buscavam atualização e informação num sem-número de palestras, seminários, livros e pesquisas, os pseudo-designers deitavam e rolavam, ´roubando’ clientes por praticarem preços absurdamente baixos. Proliferavam sites oferecendo logotipos por 199 reais ou menos… E, quando a coisa parecia ter chegado no nível mais baixo, eis que surge uma novidade! Um novo site (por enquanto só conheço um) está promovendo uma espécie de leilão virtual de logos. O sistema funciona assim: o cliente faz uma oferta (chama-se ‘prêmio’) de 195 reais. Em seguida o site publica o perfil desse cliente e o valor do tal prêmio. Aí os ‘logotipeiros’ interessados enviam suas propostas para concorrer àquela ‘fortuna’ toda (80% do valor, pois os 20% restantes vão para o site). São 50, 60, 100 layouts enviados para que o cliente escolha a mais bonitinha. Dessas dezenas ou centenas de marcas, apenas a eleita receberá o pagamento. Os demais, trabalharam de graça!

    Acho que um modelo de negócio só é válido quando contempla de forma JUSTA todas as partes envolvidas. Além disso, penso que um designer (ou qualquer outro profissional) não deva trabalhar por uns trocados, mas, sim, por uma remuneração justa. É a tal da dignidade profissional. Vejo nesse tipo de prática duas questões distintas e diametralmente opostas. A primeira delas é o prejuízo que isso causa ao mercado. Muitos podem dizer que os clientes desse tipo de site não nos oferecem perigo por estarem em outra esfera. Talvez… Penso que, aos poucos, essa cultura do ‘baratinho’ vá se disseminando e coloque o design na condição de algo menor, abrindo ainda mais a distância entre os grandes e pequenos clientes. Essa ‘comoditização’ do design fará surgir concorrentes. Logo aparecerá um site oferecendo o mesmo produto por 150 reais. Em seguida outro, cobrando 120, até atingirem o piso, seja lá qual for ele, e passarem a brigar pelas migalhas.
    A segunda questão é que a esse tipo de prática gera uma enorme sub-classe profissional. Em sua maioria, os criadores de logotipos desse espaço são profissionais de outras áreas que se aventuram a mexer em softwares gráficos a fim de defender uns trocados. É na base do ‘bico’ mesmo. Gente sem formação, sem conhecimento e sem ‘estrada’, que joga meia dúzia de ideias para tentar fisgar o prêmio. Via de regra, os trabalhos que vi no site são sofríveis. Marcas medíocres com graves problemas de construção e de uso limitado. Isso colabora para turvar a imagem verdadeira dos profissionais do design, que dedicam suas vidas ao estudo sério das questões envolvidas no desenvolvimento de uma marca. Passa a impressão de que criar um logotipo é um simples exercício de software a ser feito nas horas vagas. Coisa para amadores de final de semana, com seus programinhas piratas e suas soluções instantâneas. Clicou aqui, jogou um gradiente ali, está pronto!
    Na verdade, estamos falando de duas coisas distintas, mas que acabam se confundindo na cabeça dos leigos. Design, antes de mais nada, é projeto e solução. Demanda tempo, know-how e expertise. É fruto de muito trabalho, metodologia e, acima de tudo, conhecimento, coisas que só um profissional pode oferecer. Soluções rasteiras e de ‘baciada’ podem ser tudo, menos design.
    É impossível não estabelecer uma ligação com os produtos chineses. Cópias de qualidade duvidosa, a maioria deles tem apenas aparência. Não funcionam. Não são confiáveis. Além disso, na outra ponta da cadeia produtiva, há mão de obra baratíssima. Condições de trabalho deploráveis. Emprego de pessoal desqualificado. Da mesma forma, esse site (o nome dele não foi citado nenhuma vez para não fazer propaganda) oferece logotipos que têm apenas aparência, não funcionam… Além de empregarem mão de obra sem nenhuma qualificação.
    O pior disso tudo é que há uma minoria que atua na área (se são profissionais ou não já é outra história!) que defende esse tipo de negócio, participando e incentivando os outros a participar. Os argumentos normalmente focam na necessidade dos novos profissionais e estudantes construírem seus portfólios e entrarem no mercado. Penso que há maneiras mais bonitas e dignas de se entrar na profissão do que pela porta dos fundos. Um estudante ou profissional em início de carreira que se sujeitar a trabalhar nesses moldes, estará começando da pior maneira possível. Estará desenvolvendo uma visão completamente distorcida dessa atividade tão apaixonante. Se é para trabalhar de graça, ofereça seu serviço para entidades filantrópicas. É mais coerente, mais íntegro e mais legítimo.
    Se alguém puder me provar o contrário, com um bom argumento, eu mudarei minha opinião. Nesse momento, porém, acredito que design não é nem nunca será commodity. Se me convencerem, a partir de amanhã, passarei a brigar por preço. Só por preço. Deixarei de lado todas as minhas ideologias bobas e virarei, tipo assim, um atacadista do design.

    (recebi este texto por e-mail, de autor desconhecido, e concordo plenamente)

    • Olá Natália,
      Concordo com alguns dos pontos do texto que você enviou, mas da mesma maneira que os bancos de imagem estão corroendo a profissão do fotógrafo e até mesmo do ilustrador, você não acha que o caminho é inevitável?
      Qualquer profissional de design sabe muito bem que uma identidade coorporativa não se constrói apenas com um logo e, mesmo assim, quantos designers oferecem só um logo como produto do seu trabalho? A concorrência desleal entre os próprios designers são o câncer da profissão. Parte dela porque, para se ter um estúdio de verdade, é necessário estar atualizado não apenas em hardware, mas em software também. Quantos designers que fazem trabalhos freelancers possuem licença dos softwares que utilizam? Quantos pagam imposto? Não são eles mesmo que se utilizam disso para baixar o preço médio de mercado, justamente pra conseguir ganhar uma concorrência por preço?
      Eu trabalho com design e fotografia e sei dos preços que as pessoas estão dispostas a pagar por um “loguinho” ou uma “fotinho” e acredito muito que o nível de orçamento que chegamos hoje é por causa dessa concorrência desleal.
      Não defendo a comoditização da profissão, aliás, sou completamente contra qualquer Zé da esquina micreiro que fez 2 tutoriais de como fazer um logo no Corel Draw sair oferecendo serviço de designer. Enfim, é a realidade que os próprios profissionais construíram e à medida que a concorrência desleal cresce só a qualidade prevalece.
      O que eu gostei da we.do.logos é a conexão que o serviço faz. Quem precisa com quem está disposto a fazer. O preço é baixo? Sim. Mas a competição não é por preço, mas sim por qualidade.

      Obrigado pelo comentário,
      Marcio

      • Opa! Os bancos de imagens, tipo CORBIS, estão ai e caso queira usar uma imagem por exemplo em um projeto editorial, você terá que comprar a imagem e ainda dar os créditos pela a imagem.
        O Papel do fotografo e colher imagens com o seu próprio ponto de vista, exemplo, fotografias que valorizam a arquitetura da década de 1930. Agora se você tem um produto, BOLSAS, e quer fazer um catálogo, terás que contratar o fotografo para registrar a imagem de sua bolsa e o designer que vai projetar o visual do catálogo. Não tem sentido a comparação. Design é projetar com função. Para tal os Designers precisam brifar os clientes até mesmo para o desenvolvimento de uma Marca (logotipo) e brifar e colher informação pertinente ao projeto relacionado ao alvo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s